28 dezembro 2009

São Silvestre Porto 2009

No passado Domingo participei na 16ª edição da São Silvestre do Porto. Foi também a minha segunda presença nesta prova que muitos referem ser a sua preferida, quer pelo percurso que percorre o centro do Porto , quer pelo apoio do público, que apesar das noites frias e chuvosas de Dezembro faz sempre questão de marcar presença. Também o facto da corrida ser à noite, com as ruas ainda repletas de iluminações natalícias fazem deste evento um grande sucesso.

Em contraste com o ano passado a chuva caiu mesmo durante grande parte da prova. Também ao contrário do ano passado não fui carregado de cachecóis e cobertores. Bastaram apenas alguns minutos de aquecimento para espantar o frio e depois a própria adrenalina competitiva se encarrega de nos aquecer os músculos. :D
Foi durante o aquecimento que encontrei o Miguel Torres visivelmente aborrecido por não ter conseguido resgatar o dorsal. A organização da RunPorto raramente merece reparos, mas não consigo compreeender bem a inflexibilidade da organização em relação a este aspecto, principalmente porque, segundo percebi, foram lestos a aceitar a inscrição de mais 500 atletas (para além dos 5000 previstos), mas não o foram para prolongar alguns minutos o prazo para levantar o dorsal. Julgo que até 30 minutos antes da partida seria razoável e evitaria o desagrado relatado no blog do Miguel.

A faltarem cerca de 15 minutos entrei na zona de partida e lá terminei o meu aquecimento. A partida foi algo tumultuosa dado que muitos dos atletas que estavam na frente estavam para além da linha da partida e o tiro não era dado enquanto não estivessem todos atrás da mesma.
De qualquer forma passados alguns instantes soou o tiro e cerca de 5000 pessoas começaram a descer a Avenida dos Aliados.

A corrida começa com cerca de 300 metros a descer a sala de visitas da cidade do Porto, entra na Praça da Liberdade e volta a subir os Aliados. Bonito de ver e de se correr, mas não havia tempo para apreciar a paisagem. O volume de atletas impedia que aproveitasse o declive inicial, mas logo a seguir a subida que nos esperava encarregar-se-ia de nos abrandar o passo. Contudo ainda fui passando bastante gente até chegar à Rua Formosa, onde a rua é bastante mais estreita e o caudal de gente é demasiado, obrigando a reduzir a passada.

Viro à esquerda e começo a subir Sá da Bandeira. Díficil como poderão ver pelo gráfico de elevação abaixo. Fecho aqui o 1º K com 3m56s.

Continua a subida de Sá da Bandeira, entramos ligeiramente na Rua Gonçalo Cristovão, apenas alguns metros planos suficientes para recuperar o fôlego e encarar a subida da Rua Santa Catarina até ao Jardim do Marquês. Penso para mim como é possível alguém escalar esta rua com uma média de 3 minutos por K e reparo numa atleta do Maratona Clube de Portugal que me pareceu em dificuldades (mais tarde vi que era a Mónica Silva).
Com cerca de 2400 metros corridos chegamos ao Marquês que nesta prova é um verdadeiro oásis. Entra-se na Constituição e começa-se a descer ligeiramente. Muito público a apoiar na rua e nas varandas. Excelente!

Ia entretido na minha passada quando vejo que a tal atleta do Maratona em franca recuperação. Aproveitei a "roda" dela e acelerei o passo durante a toda a Constituição e Antero de Quental. Assim fui ganhando alguns segundos na descida dado que fiz o 3º e 4º K em 3m40s e 3m28 respectivamente.

Progressivamente fui perdendo contacto com a Mónica Silva (MS), mas ganhei outro aliado quase a chegar à Praça da República. Troquei algumas palavras com um atleta no sentido de tentarmos chegar ao grupo onde já ia inserida a MS e lá fomos os dois a puxar um pelo outro de maneira a fazer o 5ºK em 3m22s que foi completado já novamente nos Aliados.
Ia começar a parte difícil, porque na segunda volta a subida ainda era mais íngreme. Desta vez era preciso subir a totalidade da Rua Sá Bandeira.

Íamos tão concentrados que nem vimos o abastecimento do lado esquerdo (na altura achei que tinha sido distracção minha, mas depois soube que era uma humilde mesa de abastecimento o que para uma prova com 1800 atletas me parece manifestamente pouco, mas "isto sou eu que não percebo nada disto" como diz um locutor de rádio do RCP que agora não me lembro o nome).

O meu parceiro de corrida ia bem forte e logo me apercebi que não o ia conseguir acompanhar. Tive pena de não saber o nome dele, porque ele ainda me incentivou bastantes vezes antes de seguir sozinho. Apreciei bastante a atitude dele! Grande atleta!

Mesmo assim inclinei o corpo para a frente e lá fui como podia até chegar novamente ao Marquês , tendo gasto 3m59s e 4m35s nos 6º e 7º Km.

De qualquer forma o desgaste era geral, porque só me recordo de ter sido ultrapassado por um atleta durante toda a subida.
Na Constituição já era outro terreno e " a descer todos os santos ajudam", o que me fez recuperar tempo. Em relação ao ano passado também já sinto outra segurança nas descidas, sem ter de me preocupar com os joelhos no dia seguinte.

Nesta fase da corrida começou a chover forte, mas agora à distãncia nem me recordo se me afectou, porque se olhar para os parciais dos últimos Km (3m51s, 3m37s e 3m32s) são muitos idênticos aos da primeira volta e desta vez nem sequer tinha "lebres".
Prova terminada novamente nos Aliados com a subida para a meta a exigir o esforço para o sprint final e a terminar com 38m26s (tempo de chip).

Este ano gostei bastante da prova e até arrisco dizer que só tornou numa das minhas favoritas!
Entretanto recomendo a leitura deste relato de uma corredora americana sobre a São Silvestre do Porto, porque é sempre bom ouvir falar bem da nossa cidade e ainda mais se fôr alguém de fora.
Um Excelente 2010 para todos!

16ª São Silvestre Porto

Depois de correr ontem a São Silvestre de Gaia contava chegar aqui e acusar algum desgaste. Na realidade apenas senti o cansaço na 2ª volta tendo ficado com a sensação de poder ter ido mais além.

Ainda assim o resultado foi bastante positivo tendo concluído num redondo 100º lugar da Geral com 38m26s.
Amanhã conto como foi a minha prova com mais um ponto negativo para as Organizações. Não é só Gaia! :-D

Resultados completos aqui

27 dezembro 2009

7º São Silvestre Gaia -2009

Participei ontem na 7ª edição da São Silvestre de Gaia. Foi a minha 2ª presença consecutiva numa prova cujo percurso coincide praticamente com o local onde costumo treinar e também com o percurso da Maratona da Porto de boa memória para mim.

Terreno praticamente todo plano, com uma pequena parte do piso em paralelo (no princípio e no fim) convidativo a bater recordes pessoais a menos que as condições atmosféricas não ajudem (costuma fazer algum vento nesta zona), ou a menos que a organização adicione uns metros valentes ao mesmo.

Levantado o dorsal encontrei o Rui Pena que me alertou para a novidade de Gaia ir receber uma prova de triatlo! Ora para que gosta de se estrear nestas aventuras à "porta de casa" esta será uma oportunidade única. Aguardo mais notícias sobre este assunto.

O dia estava frio, mas ao contrário do ano passado não choveu. Comecei o aquecimento de gorro e de luvas, mas logo ao fim de alguns segundos vi-me forçado a dispensar os acessórios. Afinal não estava assim tanto frio quanto isso. Logo encontrei também o Vítor Dias e o Meixedo e durante o percurso reconheci um dos Flechinhas que ainda não tenho o prazer de conhecer pessoalmente.

Preparativos para a partida e logo toda a gente estranhou o facto do arranque inicial ser dado para o lado contrário do ano passado, ou seja, ao invés de partir directamente para a Afurada foi necessário ir à Ponte D. Luís e fazer o retorno. Logo à partida os cerca de 500 atletas foram canalizados por um funil apertado em piso empedrado. No mínimo perigoso e desnecessário conforme se veio a verificar no final.

O resto da prova decorreu como esperava e se considerar a distância medida pelo Gps (que obviamente também tem alguma margem de erro) consegui bater a minha melhor nos 10K tendo cronometrado 37m21s.
Para a história ficam 40m36s relativos a cerca de 10.800 metros medidos pelo relógio, 121º da Geral entre 565 atletas chegados à meta.

Resultados aqui
Convido-vos a ler uma análise positiva sobre a prova no blog da Maria Sem Frio nem Casa (que não tive o prazer de reencontrar). Obviamente nem toda a gente corre contra-relógio, mas é sempre uma frustração não vermos o esforço recompensado porque uma prova apresenta uma distância muito diferente da anunciada. Sendo isto também válido para as prova com menos distância é claro.

E para finalizar deixo-vos aqui as análises "menos positivas" à prova (como eles dizem salvou-se o bolo-rei e o cházinho quente):
- S. Silvestre de Gaia teve prolongamento (Vítor Dias)
- São Silvestre de Gaia (Rui Pena)
- S. Silveste - Jornada dupla (João Meixedo), mix com a SS Porto.

Quanto à minha participação na São Silvestre do Porto falarei amanhã (ou depois - vamos ver lá ver se consigo desgrudar da Wii).

Abraço e Boas Festas para todos!

08 dezembro 2009

52ª Volta a Paranhos


Teve hoje lugar a 52ª edição da Volta a Paranhos, uma das mais antigas provas de atletismo de estrada do país.

Resultados aqui. Fotos Aqui . Mais fotos aqui (cortesia do meu amigo Novais)

Percurso registado pelo Garmin Forerunner 305 e os meus parciais.

Pela minha parte participei pela segunda vez, embora ano passado me tenha esquecido de colocar o chip e por isso motivo não consto dos registos oficiais da 51ª edição.

Para mim a prova encerrava alguns desafios, nomeadamente o facto de não participar de uma corrida de 10K desde o passado mês de Março (a última foi em Avintes e desde então tenho participado principalmente em Meias Maratonas) .
Sendo os 10k uma distância... digamos... oficial (corridas com 7, 8 9K parecem não ter tanto valor) estava curioso para saber quanto valia.
A realidade é que desde a Maratona que tenho treinado pouco e muito menos velocidade, mas ainda assim estabeleci como objectivo tentar fazer uma média de 3.40m/km o que daria um resultado final de aproximadamente 36m40s.

A corrida

Consegui colocar-me a 3/4 metros da fita, mas como sempre, passados alguns minutos até velhinhos de cadeiras de roda estavam à minha frente! Adiante.
Tiro de partida e salve-se quem puder! Somos logo presenteados com a descida da Rua Manuel Laranjeira e sem surpresa passo no Km1 com 3m29s!
No Km 2 somos obrigados a devolver a oferenda inicial e "escalar" a mesma rua. Não há tempo para abrandar , mas passo com 3m56s.
Km3 em plena Rua Costa Cabral, terreno plano e asfalto em razoável estado. Esta prova como sempre apresenta um nível competitivo muito elevado. Apesar de "rolar" a 3m38s fui sendo ultrapassado por bastantes atletas a quem nunca mais pus a vista em cima. :-D
O 4ºKm é um doce envenenado, porque a Rua da Constituição é uma descida um tanto ou quanto subtil que nos embala e consome energias essenciais. Não obstante passei aqui com 3m32s, mas com o conta-rotações no vermelho!
No Kms 5 e 6 passamos pelas Ruas Serpa Pinto e São Dinis que coincidem com uma subida algo íngreme para quem já viu melhores dias. Consigo passar a metade da corrrida dentro do objectivo, ou seja com 18m21s, mas já em perda.
K7 na Rua do Amial que desce ligeiramente e consigo fechar com 3m37s. Nos kms 8 e 9 já junto do pólo universitário passo com 3m47s e 3m55 respectivamente e para fechar em beleza a interminável subida da Rua Manuel Laranjeira que me fez gastar 4m06s.


Terminei com 38m01s em 123º da Geral entre 1128 atletas chegados à meta. Acima do objectivo é verdade, mas satisfeito face ao percurso do qual já não me recordava muito bem e parecia mais fácil.

Mapa do Percurso

(clique para aumentar)

Elevação


(clique para aumentar)

De positivo assinalo a participação popular e o número de participantes (cerca de 1200 atletas), a marcação por chip, Kms devidamento assinalados.
De negativo assinalo mais uma vez o facto de não existir abastecimento o que numa prova de 10K é muito mau, embora não tenha estado calor.

Próximos desafios: São Silvestres e início do treino para a Maratona de Paris.
Bons treinos