16 abril 2010

Maratona de Paris 2010 - Crónica


Allez Mark! Encore un peu plus d´energie!


Ainda agora estas palavras continuam a ecoar na minha cabeça, como se não tivesse ouvido mais nada nos últimos 7 dias!
Nessa altura já levava o piloto automático ligado e a minha preocupação era apenas chegar à Avenue Foch onde estava instalada a meta. No entanto, posso dizer que foram 42, 195K de puro prazer que se eclipsaram em menos de um fósforo.
A sucessão de acontecimentos e actividades fazem com que a distância seja ultrapassada sem que se dê propriamente pelo tempo a passar.
O apoio do público, as bandas de música, os postos de abastecimento, a conversa com os outros corredores fizeram-me perder a noção do tempo, embora, em contrasenso, estivesse sempre a olhar para o relógio e a controlar o ritmo.

Correr e concluir uma Maratona é extraordinário já aqui o disse antes, mas correr uma Maratona neste cenário de Paris é algo de verdadeiramente fantástico! Não fosse existir tanta oferta disponível que me inscreveria já hoje para corrê-la outra vez já de imediato!

O objectivo:

Como poderão ler aqui o objectivo era ambicioso, principalmente porque em qualquer corrida nunca sabemos o que vai acontecer e principalmente porque, por força das circunstâncias tinha feito uma preparação diferente daquela que fiz para a Maratona do Porto. O inverno rigoroso, falta de disponibilidade e também alguma preguiça impediram-me de somar os longos necessários.

Para o Porto nas 16 semanas anteriores acumulei 1206 Km de treino enquanto que para Paris apenas fiz 570Km. Apenas me apercebi desta diferença (menos de metade do volume) ao escrever este post, embora também seja verdade que o que está para trás também conta...

De diferente apenas incluí treinos de bicicleta (spinning principalmente, mas muito poucos) e treinos no ginásio (aulas de body pump, treinos no tapete e 1 aula de Pilates da qual saí bastante "maltratado", por forçar a minha reduzida (leia-se nula) flexibilidade.

A verdade é que por via da redução do volume consegui melhorar um pouco a minha performance nas Meias- Maratonas e também nos 10Km. O caminho será algo no intervalo disto presumo eu.


Os dias anteriores



Chegado a Paris na 6ª feira, fui logo directo à Marathon Expo levantar o dorsal, tarefa realizada com a uma rapidez só possível a uma grande organização. Entreguei o atestado médico obrigatório, mas não me pediram o comprovativo de tempo realizado.
A partida é organizada por objectivos de tempo facilitando assim a partida . Não demorei lá muito tempo apesar do tema da maior parte dos expositores me ser interessante. O kit da prova era fraco na minha opinião, mas a forma organizada como tudo estava montado compensava. De seguida foi palmilhar Paris de lés-a-lés, da Torre Eiffel ao Louvre, da Nôtre Dame ao Sacré-Couer, dispensando o repouso que as pernas precisariam...
No Sábado, jantar de massas acompanhado da minha esposa e da simpática família do João Meixedo. Combinamos encontro via telemóvel com o Luís Mota no Arco do Triunfo para o dia seguinte.

O dia M

Um pouco cansado de andar a pé no dia anterior dormi tudo de seguida e apenas acordei ao som do despertador. Às 6.30h estava pronto para tomar o pequeno almoço com o João no hotel, onde já se observava o movimento de maratonistas.
Ainda era muito cedo e por isso forramos bem o estômago! Tivemos muita sorte, porque o dia nasceu solarengo, impecável para correr, mas apesar disso bastante frio. Conversamos um pouco sobre os nossos planos para aquele dia e até sobre futuras maratonas. O João com 3h24m em Boston foi perseguido por uma lesão que acaba sempre por desmotivar o mais forte dos atletas ia tentar perseguir um pace confortável que lhe permitisse terminar em menos de 4h, mas esperava concluir em menos do que isso.

7h15m Metro em direcção aos Champs Elysées já cheio de corredores de todas as nações. Quase todos sairam na estação de Charles de Gaulle- Étoile, pelo que fomos atrás da manada. Em bom tempo, porque saímos pertíssimo do Arco do Triunfo.
7h40m Procuramos o Mota, demos várias voltas ao monumento. O João ainda chamou bem alto, num Português bem audível, mas sem sucesso. Fica marcado o encontro para o III Meeting Blogger.
8h Decidimos ir guardar o saco nas tendas que estavam instaladas na Av Foch, local que iria coincidir com a chegada.Milhares de atletas já iam fazendo o mesmo, mas não esperei mais que dois minutos para guardar o saco O frio desmotivava a largar o fato de treino, mas lá teve de ser. Cobri-me com um daqueles plásticos com mangas para a chuva e levei mais duas camisolas para descartar alguns minutos antes da partida.

8h20m Encontrei-me novamente com o João e fomos em direcção ao local da partida. As pulsações começavam a subir. Um abraço de despedida e boa sorte. Obrigado ao João por partilhar esta aventura comigo. Os dados estavam lançados.

8h30m Entrei na baía de largada. Sem confusões, mas também sem espaço para aquecer, pelo que fui dando uns pulos e alongando um pouco. Estiquei o pescoço à procura do Mota, mas presumi que ele já estivesse lá na frente. Fui também chegando o máximo possível à frente. Nos altifalantes os speakers de serviço iam motivando. O sol já brilhava lá em cima. Que dia fantástico!

8h44m Contagem descrescente. Faz-se um silêncio. Olho para trás e vejo milhares e milhares de pessoas com o Arco do Triunfo como pano de fundo. Cenário maravilhoso. Rio-me para mim mesmo. Vai começar...





A corrida

Champs Elysées. Tiro de largada. Cuidado para não tropeçar na montanha de camisolas, plásticos e garrafas no chão. Demoro cerca de 40 segundos a chegar à linha quando consigo efectivamente começar a correr. Dos dois lados da larga Avenida o público aplaude a passagem. Emocionante. Sem dar por isso já tinha feito 1Km e ainda estava na mesma Avenida.
Parecia-me lento aquele ritmo. Tento forçar um pouco, mas encontro sempre muita gente à minha frente e sou forçado a ziguezagear.

Chego à Place da la Concorde e o GPS sinaliza o 2ºKm , mas a placa só está uns metros mais à frente. Bolas para o GPS.

Entro na Rue Rivoli. Muita sombra e sinto frio. Aqui a rua não é tão larga para tanta gente, mas o público apoia como eu nunca vi . Parecia que como ia lento, mas faço o 3ºKm em 3m55s, na tentativa de colocar a média do relógio nos 4m05s/Km.
Vejo vários "pacemakers" dos 3Km. Seria suposto eu ir à frente deles, mas encontro um muro de atletas que o seguem religiosamente. Díficil de passar. Salto para o passeio para os ultrapassar e embato com a anca num latão. Doeu! Insultei baixinho o Napoleão por não ter mandado fazer a Rue Rivoli um pouco mais larga e por nos ter invadido há 200 anos atrás.
Vejo um português a passar com um grande ritmo. Ainda pensei em segui-lo, mas pareceu-me muito forte. Prefiro fazer a minha corrida.

Passo ao K5 com 20m17s. A rua continua cheia. Ajuda a conter o ritmo e aproveito o generoso abastecimento: banana, laranja e Agua. Chego à Praça da Bastilha como novo. As ruas estreitam ainda mais. Sinto o coração a bater de uma forma estranha no peito. Reduzo a marcha e faço 4m19s. Tudo bem. Acelero um pouco e aproveito a descida.


Começo a entrar em ruas que não conheço, mas as sensações continuam positivas. De acordo com o relógio cruzo o 10ºKm em 40m20s, mas o GPS já leva uma diferença de 200 metros.

Entramos no Bois de Vincennes e aqui tudo fica mais calmo. Menos público e nalgumas zonas já se consegue apenas ouvir as passadas e a respiração dos colegas do lado.
Sigo num grupo com um bom ritmo e passo junto ao Chatêau de Vincennes onde, segundo me recordava do mapa do percurso, se estaria muito perto de dar a volta para trás. Gostei também desta parte mais "rural" do percurso.
Chego ao Km 15 em 1hoom35s (isto baseado no GPS porque na prática já existia uma diferença de 200 e tal metros para as placas, o que seria pelo menos 1 minuto de diferença).
A próxima maratona vou corrê-la sem relógio para evitar a "ditadura" do GPS e regular-me apenas pelas placas.

Até ao Km 19 o percurso é sempre feito à volta deste bonito e verde parque e consigo manter o ritmo sem dificuldades. À saída do parque vejo um corredor com uma bandeira de Portugal nas costas. Aproximo-me e lanço um "força Portugal" para dar (e receber) algum ânimo de dentro da corrida. Afinal eram dois portugueses e logo ali trocamos algumas apresentações. 1 deles corria a sua primeira maratona e o outro a sua 27ª Maratona.

O Km 20 coincide com a entrada na Rue de Clarenton e cruzo este marco com 1h22m. Tudo dentro do planeado e tb consigo passar a Meia Maratona com 1h26m. Se tal como no Porto conseguisse fazer a 2ª parte da corrida no mesmo ritmo iria conseguir alcançar o meu objectivo.

Entretanto fui conhecendo melhor um dos meus novos parceiros: o Ernesto Ferreira apesar de ser a sua primeira maratona já tinha sido atleta de competição. Detinha 1h10m à Meia Maratona como melhor marca, embora esse registo tivesse sido há alguns anos atrás. Actualmente tinha 1h21m, mas o seu ritmo inspirava-me confiança e fui com ele durante bastante tempo. Um pouco atrás seguia o Aires SãoPedro, que tinha um registo de 2h51h aqui na Maratona de Paris. Estava bem entregue.

Segui então com o Ernesto Ferreira a um ritmo de 4 minutos por Km e nalguns casos até abaixo disso. Apesar de morar el Lisboa desde pequeno, também tinha vivido em Gaia e muito perto de minha casa. Íamos conversando descontraidamente e isso ajudou a passar os Km.
À medida que passávamos por bandeiras portuguesas fazíamos uma grande festa e era engraçado como conseguia retirar dali alguma força. Por outro lado o nome do dorsal também me gorava bastante apoio e eu retríbuia esse apoio batendo também palmas ao público.

No Km23 chegamos novamente à Bastilha, mas o facto de ir a conversar fez-me perder a noção de onde estava. Gostava de fazer novamente o percurso, mas com mais calma só para poder usufruir de tudo aquilo novamente.
Mas de repente já tinha novamente o Sena do lado esquerdo e ao longe vislumbrava a Torre Eiffel. Um pouco à frente a Ile de la Cité!
Correr assim é fácil!



Continuavámos num ritmo bastante vivo, embora o Ernesto de vez em quando levasse a mão ao abdomén. Perguntei-lhe se estava bem e ele afirmou que sim. Passamos numa zona de túneis, com algum sobe e desce que fazia com que acelerássemos nas descidas e o inverso nas subidas.
Chegou o Km 30 com 2h01m! Era bom demais!
Do lado esquerdo a Torre Eiffel e de ambos os lados as ruas cheias, bandeiras de todas as nações! Comecei aos poucos a perder contacto com o Ernesto e o meu ritmo começou a baixar gradualmente. Ainda não tinha chegado o famoso Muro, mas gradualmente começava a perder a força que me permitiria manter o mesmo pace.
Até ao Km 33 ainda fui bem, mas a partir dessa altura percebi que ia ter de lutar bastante para chegar abaixo das 3 horas.



A verdadeira Maratona

" A Maratona é um passeio de 30Km e uma corrida de 12" . Lembro-me sempre desta frase que me disse uma vez o Capela. É bem verdadeira.
A partir Km 34 desliguei o video e só me concentrava em colocar uma perna à frente da outra. Não tenho memória das ruas por onde passei, apenas de entrar novamente num parque, neste caso o Bois de Boulogne. O ritmo baixou drasticamente para uma média de 4m30s por Km e fui sendo ultrapassado por muito atletas. Também ia ultrapassando alguns, mas muito poucos. Desafortunadamente um deles acabou por ser o Ernesto. Colei-me a ele e ainda tentei dar alguma força para ele vir na minha roda, mas também para ele estava difícil...

O percurso dentro do Bois de Boulogne era em terra batida e não me lembro muito mais do que isso.
Saímos do parque no Km 42 e chegamos finalmente à Avenue Foch. Nem sequer esbocei o sprint final. O relógio marcava 2horas e 57 , faltava apenas cerca de 200 metro e dava-me por contente por obter uma marca abaixo das 3 horas...

Passei a linha da meta fazendo o sinal de vitória para a fotografia, mas na realidade o sentimento era de frustração. Terminei com a marca de 2h57m43s e agora a frio estou bastante mais satisfeito do que estava quando terminei!
Preocupei-me em não parar e caminhei mais alguns metros onde simpaticamente me retiraram o chip. Bebi uma garrafa de agua e entretanto vejo chegar o Aires SãoPedro que também conseguiu chegar abaixo das 3h . Perguntei-lhe pelo Ernesto que chegou um pouco depois, mas já acima das 3h e também aborrecido por ter quebrado na parte final. De qualquer forma os meus Parabéns a ambos!

O João também terminou com 3h50m o que foi um brilhante resultado para as condições em que se apresentou à partida!Parabéns também e e um grande abraço para ele daqui até Paris! :D



No final, a organização esteve também impecável no apoio e nas entrega das medalhas que ao longo do resto do dia foi sendo exibida por todos os atletas nas ruas de Paris.

Resumindo e Concluindo

A par da Majors Marathons , Paris é também uma maratona obrigatória, por isso aconselho todos a fazerem esta prova!

Resultados aqui!

Mapa do percurso registado pelo Forerunner 305 aqui com os meus parciais para quem interessar!

A viagem

Aproveito aqui também para deixar algumas dicas para quem for a Paris e o faça recorrendo às companhias áereas low-cost. No meu caso viajei pela Ryan Air que voa para o Aeroporto Paris- Beauvais. Logo à saída do terminal, do lado direito, temos a bilheteira dos autocarros (28 eur por pessoa - ida e volta) que nos levam a Paris (Port Maillot) -em cerca de 1 hora.
Creio que Port Maillot será um bom local para ficar dado que tem vários hotéis a diferentes preços e uma estação de metro quem em poucos minutos nos leva ao centro turístico, facilitando depois o regresso. Se o preço não for problema então a perfeição será encontrar um hotel nos Champs Elysées a curta distância da linha de partida como fez um dos colegas com quem partilhei parte da corrida. No caso dele foi possível fazer o aquecimento e depois regressar ao hotel para se equipar devidamente e no final ir directamente para o quarto.
Qualquer questão não hesitem em enviar um mail que terei muito gosto em responder.

Um abraço para todos, obrigado pelo apoio e por lerem esta crónica!

14 abril 2010

Maratona de Paris 2010


Depois de cumprido o objectivo Paris falta ainda a crónica!

Uma maratona merece um post equivalente à distância que é percorrida, mas estes últimos dias têm sido bastante atarefados, pelo que só para o final de semana terei alguma disponibilidade.

Entretanto este post do João é uma verdadeira pérola da qual me orgulho imenso em ser actor secundário. Leitura Obrigatória! :D

Parabéns também ao Luís Mota, Nuno Romão e a todos os que concluíram com sucesso esta excelente maratona.

07 abril 2010

Último treino - Maratona Paris -2010

Fiz hoje o meu último treino antes da minha segunda Maratona. O objectivo foi esgotar as "reservas" e a partir de hoje vou dar na massa como se não existisse amanhã. :D
É provável que ainda dê uma corridinha por solo parisiense, mas ainda não sei se vai dar tempo.
Também vou aproveitar para conhecer a cidade, pelo que lá se vai a teoria de descansar o máximo antes de enfrentar a prova raínha.

Comparando com a minha preparação para a Maratona do Porto não fiz tantos treinos longos quantos deveria ter feito, tendo como assumido que o "treino longo" é meio caminho andado para completar uma maratona com sucesso. Preparar a Maratona durante o Inverno é deveras complicado....
Em contrapartida sinto-me com mais energia, embora desconheça mais uma vez como vai ser após o 30ºKm.
Mesmo assim gostaria de baixar as 3h e se possível rodar a 4m05s por Km. Escrevê-lo aqui é uma forma de compromisso e resultou da outra vez...

Será demasiado ambicioso? Depois conto....

Um abraço para todos