29 agosto 2010

I Triatlo Gaia 2010


Está feita a estreia no Triatlo!

Inicialmente estava previsto estrear-me nesta mesma prova, mas num evento paralelo que consistia numa prova lazer e em que as distâncias eram apenas 375m de natação, 10K de bike , 2,5 de corrida.

Com as mudanças de datas e pelo facto do Campeonato de Europa de sub-23 ter passado para Portugal, essa mesma prova terá ficado sem efeito e passou apenas a existir a Taça de Portugal (para além do Europeu é claro e cujo título ficou em casa com a vitória do João Silva) com o DOBRO da distância!

Por isso mesmo, fiquei na dúvida sobre participar ou não, principalmente porque ainda sou muito fraco na natação e no ciclismo, mas não podia deixar passar a oportunidade de me estrear em casa, sentir a adrenalina de participar nesta prova que teve uma grande repercussão aqui na cidade com Outdoors gigantes, site Pro, pedidos de voluntários numa escala organizativa de grande porte, enfim, a coisa prometia!

Confesso algum receio inicial pelo facto de desconhecer por completo como me sentiria a nadar em águas abertas e mais receoso fiquei quando no dia de ontem (sábado) vi o estado do rio na prova feminina de Sub-23, depois confirmado no acompanhamento em directo na prova com uma frase esclarecedora "Holly Avil parece ser uma das vítimas da forte corrente do rio Douro".
Já antes tinha sabido da antecipação da prova através do site da Federação que anunci
ava algo como "Fruto das condições de maré que se farão sentir em Vila Nova de Gaia"...

Bem, se uma das favoritas era arrastada pela corrente o mais certo era eu começar no Cabedelo e acabar na praia do Mindelo! :D

De qualquer forma preparei a logística necessária, que consiste numa lista infinvel de material e verificações de que falarei posteriormente e fui tentar pregar olho! Sentia um nervosismo até superior ao da estreia na maratona, mas acabei por dormir normalmente e às 8h já estava no Secretariado da prova a levantar dorsais, touca e chip electrónico! O rio parecia um espelho e isso era muito bom sinal. Depois vim a saber que a razão da prova ter sido antecipada foi mesmo a maré-baixa, ou seja, em determinadas parte até havia pé, o que para mim se revelou uma dádiva!

Fui parar a bike no Parque de Transição e encontrei logo o Rui Pena que foi impecável e me acompanhou durante a fase pré-prova respondendo aquelas dúvidas próprias de um iniciante. Obrigado Rui!
Depois fui encontrando outros tri-atletas da blogosfera como o Fernando Carmo que tive o prazer de conhecer, o Henrique e o Paulo do do CVP que dão sempre aquela força e incentivo de salutar!

Vestido o fato isotérmico (a agua estava a 18 graus e foi permitido o uso de fato para minha sorte e benefício geral) lá me encaminhei para o ponto de partida procurando alguém para me ajudar a apertar a parte de trás do mesmo. Obtive a ajuda de outro atleta que em conversa vim a descobrir ser o Presidente da ETU, Philip Schadler. Que desporto fascinante este onde os presidentes da instituições participam nas provas que ajudam a organizar! Uma pessoa 5 estrelas e super acessível!

A próxima vez que vir o Blatter, o Platini ou o Madaíl vou também dar duas de letra com eles...

Natação:Dada a partida, deixei-me obviamente ficar na parte de trás do "pelotão". Além de não querer levar a habitual pancada deste segmento, tinha como objectivo inicial chegar à bicicleta, ou seja, sair da agua de outra maneira que não no barco da organização. O segundo objectivo do segmento era tentar nadar em menos de 20 minutos tentando replicar aquilo que já tinha feito na piscina do Fluvial.

Logo à partida percebi contudo que tinha outro desafio adicional: a Navegação. Enquanto na piscina temos uma pista que nos vai guiando, aqui temos de saber nadar de cabeça levantada para perceber em que direcção vamos e apesar da corrente estar fraca, ainda assim era suficiente para me desviar dos vários rumos que fui traçando ao longo dos 23 minutos que demorei a percorrer os 750 metros... (o vencedor demorou nove...)

Enfim, até me deu vontade de rir, mas lá fui gradualmente conquistando metros e de vez quando nadava bruços para ver onde estava e retomar novamente a rota correcta. Senti-me bem a nadar e com força para nadar mais, mas está visto que preciso de aconselhamento técnico para conseguir nadar mais rápido. De qualquer forma fiquei satisfeito tendo em conta que há 2 meses atrás a minha natação foi descrita por um professor como "saber andar na agua", ou seja, eu nem a respiração fazia direito...

T1 Swim 2 Bike: às 3 tarefas principais do triatlo temos de juntar as transições. Uma transição eficaz permite recuperar eventuais atrasos na natação, dependendo obviamente da velocidade a que nadamos. No meu caso não tinha muita pressa. Saí com bastante calma da agua, passei pelo chuveiro e como ainda me faltam alguns apetrechos como fato de triatlo, bike de ciclismo com sapatilhas de encaixe, etc. , terei demorado talvez uns 5 minutos neste PT, incluindo retirar o fato isotérmico, que me custou bastante, mesmo apesar das carradas de creme que coloquei nos tornozelos.

Julgo que poderia ter sido mais rápido, mas o interesse era apenas divertir-me e chegar ao fim. O mais difícil já estava feito.

Bike: O percurso era de 20Km (4 voltas de 5K)e estava anunciado como técnico e com curvas perigosas, mas à velocidade a que eu circulo o anúncio não era nitidamente para mim. Aqui a ideia era tentar apanhar uma roda e ver no que dava.

A minha anterior experiência de corridas de ciclismo resumia-se ao Duatlo da Póvoa e apesar de ter agora muitos mais treinos do que tinha, não tenho pernas para mais. Não consegui "agarrar" nenhum daqueles que me ultrapassavam e que já me iam a dobrar em voltas. Fiz o ciclismo quase todo sozinho em cerca de 54 minutos, um pouco melhor do que a natação, mas mesmo assim a precisar de melhorar nitidamente. Como desculpa posso utilizar a bike, que continua a ser a mesma de sempre, mas desadequada para esta prática.

Bike 2 Run: aqui a transição foi mais rápida. Pousar a bike e o capacete e estava pronto para a corrida! Finalmente, terreno conhecido.

Corrida: o percurso consistia em duas voltas de 2,5km planos. Tinha feito 1 ou 2 treinos de transição e neste caso foram o bastante, porque consegui fazer a corrida com bastante naturalidade, recuperando algumas posições. Talvez por não ter dado tudo na bike cheguei fresco e capaz até de correr mais. Achei que foi a maneira perfeita de terminar

Completei em 19m32s o que terá sido o 58º melhor tempo deste segmento (ou até menos se descontarmos o pessoal que só deu 1 volta de corrida...pois...no triatlo também há furões...)

Resultado: 169º em 182 tri-atletas chegados à meta a fazer lembrar a primeira corrida em que participei, ou seja, bem lá fundo da tabela. Tempo total : 1h37m45s, para já recorde na distância de Triatlo Spint :D. O "bichinho" do triatlo ficou, mas aqui só a motivação não vai chegar. Vai ser preciso treinar mais e melhor!

Organização:já tinha constatado a qualidade da organização no Duatlo da Póvoa que era apenas um evento regional, mas nesta prova de carácter nacional deu para perceber que a organização trabalha efectivamente bem e está de Parabéns por isso.Bem hajam!

Especial agradecimento ao Manuel Correia e Vítor Dias pelas fotos que me tiraram durante a prova e pelo incentivo!

Resultados no site da Federação

06 agosto 2010

PDS


Já aqui não venho há algum tempo e uma vez que não tenho participado em provas não tenho escrito nada.
Um bom Ponto de situação resume-se em tópicos:

Triatlo de Raiva: estive quase a inscrever-me no Triatlo de Raiva, mas um fim de semana familiar e acima de tudo a minha falta de preparação para enfrentar 650 metros na natação falaram mais alto. Ainda andei lá por perto de bicicleta a fazer reconhecimento do terreno, mas ainda não vai ser desta que faço o baptismo. Talvez no Triatlo de Gaia que devido às cheias na Polónia passou a ser um certame internacional e vai receber os Europeus de Triatlo Sub23&Youth

Fluvial: com alguma dificuldade em encontrar piscinas abertas em Agosto (e também em horários pré e pós laborais) acabei por me inscrever no mítico Clube Fluvial Portuense.
Boas condições, horário de abertura madrugador (7h) e a piscina de 50 metros convenceram-me.

Maratona do Porto: agora virado para a natação e para o ciclo-turismo tenho deixado os treinos de corrida um pouco de lado, mas no Domingo passado entusiasmei-me com a vitória do suiço Rothlin na Maratona dos Campeonatos de Atletismo de Barcelona e foi o click que faltava para decidir inscrever-me. Vou para a terceira a 7 de Novembro e pisco o olho a Barcelona para Março de 2011. Alguém interessado por aí?

Lesão: tenho tido a sorte de não ser perseguido por lesões até agora, mas esta semana assustei-me um pouco.
Um insistente e arreliador estalido no joelho direito que inicialmente apenas me doia quando pedalava em pé, depois me passou a doer quando dobrava o joelho e finalmente passou a doer o tempo todo, parecia indicar-me o caminho do estaleiro...
Algumas pesquisas no Google apontavam os pedais/sapatilhas de encaixe como principal responsável. Experimentei passar a pedalar sem as ditas e aparentemente o assunto ficou arrumado. Espero que tudo seja sempre assim tão simples...Uff
O estalido ainda está lá, mas já não incomoda...aguardemos...

Agradecimento: Não quero deixar de agradecer ao Pedro Pinheiro as dicas e o incentivo que me tem dado nestes meus passos iniciais no Triatlo. Para ele um abraço! O café e o queque ficam para o primeiro triatlo em que participemos ambos! :D

Bons treinos